Reajuste salarial de 16% apenas recompõe perdas inflacionárias, dizem ministros do STF

by 24BRASILTVNov. 9, 2018, 11:45 a.m. 16

Os ministros Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF) , afirmaram nesta quinta-feira (8) que o reajuste de 16,38% nos salários dos integrantes da Corte – aprovado na véspera pelo Senado – representa apenas uma recomposição de perdas inflacionárias, e não um aumento salarial.

Os senadores aprovaram nesta quarta-feira (7) projeto que reajusta de R$ 33,7 mil para mais de R$ 39 mil os subsídios dos ministros do STF. Como os salários dos magistrados da Suprema Corte são o teto do funcionalismo, o aumento irá provocar um efeito dominó nos contracheques da magistratura.

O “efeito cascata” se dá porque os vencimentos do Supremo, segundo a Constituição, servem de teto para o funcionalismo público de todas as esferas. Muitos servidores de Executivo, Legislativo e Judiciário estaduais sofrem um corte no salário por causa dessa regra, o chamado "abate-teto".

Com o aumento dos vencimentos aprovado pelo Congresso, os funcionários públicos que ganham mais do que um ministro do STF (em razão do acúmulo de benefícios, por exemplo) passariam a ter um corte menor. A estimativa é de que o aumento salarial gere, pelo menos, R$ 4 bilhões de despesas extras nas contas públicas.

O presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, defendeu o reajuste na manhã desta quinta durante encontro com presidente de tribunais de Justiça. Na avaliação de Toffoli, o aumento salarial aprovado pelos congressistas é uma recomposição "justa e correta" das perdas inflacionárias do período entre 2009 e 2014.

O presidente do STF pretende acelerar o julgamento que analisará a legalidade do auxílio-moradia pago aos magistrados. A eventual extinção do benefício é uma das alternativas para reduzir o impacto do reajuste aprovado pelo Congresso.

Ao chegar para a sessão desta quinta, o ministro Marco Aurélio Mello defendeu o aumento. "É uma reposição do poder aquisitivo considerado o período entre 2009 e 2014. E era para estar aprovado desde 2016", ponderou o magistrado.

Marco Aurélio concordou que é hora de tratar do auxílio-moradia e afirmou que o benefício, garantido a todos os magistrados em razão de uma liminar do ministro Luiz Fux, não está previsto em lei.

"Eu, por exemplo, sustentarei que há de estar previsto em lei. O administrador público só pode fazer o que está autorizado em lei. O particular não pode fazer tudo, desde que não esteja proibido", enfatizou.

Questionado sobre se esse seria o momento adequado para reajustar os vencimentos dos magistrados da Suprema Corte, na medida em que o país está com mais de 10 milhões de desempregados, Marco Aurélio ironizou a ministra Cármen Lúcia.

“Não é derrota. É preocupação. Não considera, tenho certeza que ele [Bolsonaro] não considera derrota. É uma preocupação até pelos gastos que foram anunciados. Mas isso tem que ser muito bem estudado, não dá para fazer essa avaliação aqui. Isso aí ele tem que avaliar, principalmente o doutor Paulo Guedes, para verificar qual impacto”, afirmou.

"Acho que estamos numa que fase todo mundo tem ou ninguém tem. Sabemos que o Judiciário é o mais bem aquinhoado entre os poderes, a gente vê com preocupação... Obviamente que não é o momento (de aumentar gastos)", disse o presidente eleito.

Em 2015, o então presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei com a proposta de aumento de 16,38%, que foi aprovada na Câmara em 2016 e, desde então, estava parada. Durante a gestão de Cármen Lucia à frente da Corte (entre setembro de 2016 e setembro de 2018), ela foi contra incluir o reajuste no Orçamento em razão da crise fiscal.

Em sessão administrativa em agosto deste ano, a maioria dos integrantes do tribunal (7 votos a 4) decidiu incluir a proposta de aumento salarial no Orçamento de 2019, estipulando uma fonte de recursos para que o Senado aprovasse o reajuste. Votaram contra o aumento, além de Cármen Lucia, os ministros Celso De Mello, Rosa Weber e Edson Fachin.

"O Senado é que decidiu. Nós temos uma defasagem, e ela cobre uma parte dessa desafasagem dos vencimentos dos juízes em relação à inflação", opinou Lewandowski.

Tags:


Artigos relacionados

TENDÊNCIAS

Mês da Consciência Negra tem programação diversa de atividades

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:45 p.m.2
TENDÊNCIAS

Bolsonaro anuncia general Fernando Azevedo e Silva para ministro da Defesa

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:45 p.m.2
TENDÊNCIAS

Susana Vieira se pronuncia após confirmar leucemia

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:45 p.m.2
TENDÊNCIAS

AACD quer promover 'encontro da paz' entre Cláudia Leitte e Silvio Santos

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:30 p.m.2
TENDÊNCIAS

Santos x Chapecoense: Acompanhe o placar AO VIVO da partida

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 10:45 a.m.2
TENDÊNCIAS

Tite convoca Rafinha para o lugar de Casemiro na seleção brasileira

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 7:45 a.m.2
TENDÊNCIAS

Cruzeiro estuda opções para suprir desfalques em jogo contra o Corinthians

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 7:45 a.m.2
TENDÊNCIAS

Susana Vieira está com leucemia; doença está estabilizada diz assessoria

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 6:45 a.m.2
TENDÊNCIAS

Esquadrão Suicida 2 | 10 vilões da DC que queremos ver no filme

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 4:01 a.m.2
TENDÊNCIAS

Resultado do concurso 1736 da Lotofácil desta segunda (12)

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 3:46 a.m.2
TENDÊNCIAS

Memória: Santos FC inaugurava estádio do Santos Laguna

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:45 a.m.2
TENDÊNCIAS

Bolsa Universidade registra mais de 11 mil inscritos no primeiro dia | Manaus

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:45 a.m.2
TENDÊNCIAS

Palmeiras terá três reforços contra o Fluminense

by 24BRASILTVNov. 13, 2018, 1:45 a.m.2